Artigo

    

Metasploit – parte II

Aprenda como uilizar workspaces e procurar por máquinas vulneráveis com o framework Metasploit.


Por Alexandre Borges


Em minha coluna anterior abordei a forma de instalação do Metasploit em um ambiente Ubuntu e, naquele momento, evitamos utilizar a distribuição BackTrack para que tivéssemos a oportunidade de observar os passos envolvidos na configuração inicial do framework. A partir de agora não fará grande diferença se o leitor estiver usando o BackTrack ou uma instalação do Metasploit feita manualmente no Ubuntu.


O Metasploit é um framework que nos permite realizar ataques dos mais variados e por isso é importante conhecer alguns termos:


Exploit: método usado pelo hacker para atacar um serviço ou aplicativo da máquina alvo com o intuito de aproveitar-se de uma vulnerabilidade.
Payload: código ou comando a ser executado contra nosso alvo através (ou após) de uma vulnerabilidade explorada.
Shellcode: código normalmente escrito em linguagem Assembly que pode ser executado na máquina alvo e fornecer ao hacker um Shell interativo.
Módulos auxiliares: softwares que podem ser usados com finalidades complementares, por exemplo, realizar um escaneamento.


Para iniciar o Metasploit, execute o comando msfconsole. Uma vez dentro do console Metasploit, teremos acesso à todas as alternativas possíveis para realizar os passos de um ataque e sem qualquer restrição. É interessante notar que, assim que o comando msfconsole é executado, é apresentado um pequeno relatório com a versão do Metasploit, o número de exploits, payloads e módulos auxiliares que estão inclusos nesta versão. É por isto que, habitualmente, costumo atualizar as definições do framework com os exploits mais recentes. Para realizar esta tarefa, basta executar o comando msf > msfupdate.


O Metasploit utiliza um banco de dados PostgreSQL por padrão (e atualmente é o único suportado). As opções presentes do framework são diversas e, por exemplo, podemos executar comandos que nos ajudem a fazer o levantamento das informações sobre as máquinas nas quais estamos interessados:


  	msf > whois linuxmagazine.com.br
msf > nmap -sS 192.168.1.1

Isso funciona bem mas pode ser muito trabalhoso e incômodo gravar os resultados da saída de comandos com o nmap. Por este motivo, é possível que os resultados dos comandos sejam armazenados no próprio banco de dados do Metasploit e, mais especificamente, em uma área de trabalho (workspace) da ferramenta.


Para que possamos listar quais workspaces temos, digite o comando msf > workspace``. Por padrão, sempre teremos o workspace “default” setado como ambiente principal.


Antes de prosseguirmos, surgiro que o leitor faça o download do ambiente Metasploitable 2 [1], com a finalidade de acompanhar o tutorial sobre o assunto. Trata-se de uma máquina virtual (VMware, é claro) com uma série de vulnerabilidades que podem ser testadas e exploradas pelo framework do Metasploit. Para facilitar a vida do leitor, o usuário e senha padrão do Metasploitable 2 é msfadmin. Caso haja tempo livre, surgiro fortemente ler os documentos na página da ferramenta [2].


Com o ambiente Metasploitable 2 no ar, é possível usar uma variante do nmap para armazenar os resultados do escaneamento:


msf > db_nmap - sS 192.168.1.107	//( esta seria nossa máquina Metasploitable 2)

Depois de o escaneamento ser concluído, os resultados armazenados podem ser verificados de muitas formas. Por exemplo, para listar quais hosts foram escaneados até aqui, execute o comando msf > hosts. O resultado será algo como:


Hosts
=====
address mac name os_name os_flavor os_sp purpose info comments
––- – –- ––- ––– –-- ––- –- ––--
192.168.1.107 00:0C:29:D9:66:B9 Unknown device

A máquina listada neste resultado possivelmente tem diversos serviços no ar. Para realizar uma listagem deles, execute o comando msf > services. Note que todos os resultados estão guardados no Metasploit e, quando necessário (e nas colunas futuras) poderemos usá-los da forma que nos for mais conveniente.


Caso não seja mais o nosso objetivo guardar tais resultados, apague o workspace com o comando msf > workspace -d default e em seguida verifique o estado dos hosts com msf > hosts.


O resultado do último comando deverá vir vazio pois a apagamos o workspace no qual trabalhávamos. Como este workspace era o único que tínhamos, automaticamente o Metasploit cria um novo workspace para nós. Caso o leitor desejasse trabalhar com mais do que um workspace, poderá criar diversas outros através do comando msf > workspace -a teste.


Para alternar entre os workspaces, faça:


  	msf > workspace teste
msf > workspace
msf> workspace default

Na próxima coluna voltarei com mais sobre o Metasploit. Até mais.


Mais informações


[1] Metasploitable 2: http://sourceforge.net/projects/metasploitable/files/Metasploitable2/
[2] Documentos do Metasploitable 2: https://community.rapid7.com/docs/DOC-1875

Alexandre Borges é Oracle ACE, escreve para o OTN (Oracle Tecnology Network), trabalhou como instrutor contratado na Sun Microsystems de 2001 à 2010. Atualmente é instrutor da Symantec, ministra cursos para parceiros Oracle, é instrutor da EC-Council e de diversos cursos especializados sobre segurança da informação. Seu blog é http://alexandreborges.org.

Notícias

Linux Developer Conference Brazil: faltam poucos dias!

Publicado em: 14/08/2018 às 11:57 | leituras |

Evento será realizado nas dependências da UNICAMP, em Campinas, nos dias 25 e 26 de agosto.

Leitor da Linux Magazine paga meia para entrar no FISL18

Publicado em: 06/07/2018 às 21:05 | leituras |

Parceria entre a ASL.org e a Linux Magazine disponibiliza código promocional que fornece 50% de desconto na inscrição para o FISL18.

DevOpsDays chega a Maringá pela primeira vez

Publicado em: 20/03/2018 às 18:25 | leituras |

O DevOpsDays terá sua sétima edição no Brasil sendo sediada na cidade de Maringá, no Paraná, dias 23 e 24 de março, no Sebrae. O evento acontece em mais de 40 países e nele foi criado o termo "DevOps" (em 2009, na cidade de Gante - Bélgica).

SENAI/Fatesg promove segundo Meeting Hacker Senai

Publicado em: 18/02/2018 às 12:47 | leituras |

No dia 24/02/2018 a partir das 8:00h, o SENAI/Fatesg realizará o segundo Meeting Hacker Senai, com a participação do LPI, da Infomach e da Barketilly.

Certificações LPI: o caminho para turbinar a sua carreira

Publicado em: 13/10/2017 às 15:50 | leituras |

O Linux Professional Institute (LPI) oferecerá provas de certificação na Latinoware, em Foz do Iguaçu, em outubro, na Poticon, em Natal e no FGSL em novembro. Fique antenado! Este artigo elenca as últimas novidades sobre o LPI.


Mais notícias

lançamento!

LM 119 | Backup e Restauração




Impressa esgotada
Comprar Digital  R$ 10,90 Digital

  1. Soluti Certificação Digital em busca de especialista Linux

    Publicado em 19/04/2017 às 17:18 | 580737 leituras

  1. Seminário sobre gestão de privilégios do Linux dá direito a certificado CPE

    Publicado em 23/05/2017 às 10:35 | 498486 leituras

  1. Baixe o curso de shell script do Julio Cezar Neves

    Publicado em 07/04/2008 às 19:41 | 467894 leituras

  1. 4Linux abre vagas para Líder Técnico em São Paulo e Brasília

    Publicado em 25/07/2017 às 14:12 | 342153 leituras

  1. Novo evento "Universidade Livre" será realizado em Belém/PA em 06/05/2017

    Publicado em 28/04/2017 às 11:19 | 292979 leituras

  1. Lançado o Fedora 11

    Publicado em 09/06/2009 às 12:59 | 10463 leituras

  1. Twitter abre suas melhorias ao MySQL

    Publicado em 10/04/2012 às 15:23 | 10553 leituras

  1. O compilador como serviço da microsoft

    Publicado em 16/09/2011 às 14:30 | 11829 leituras

  1. Novell Identity Manager 4 (gerenciamento de acesso em ambientes Físicos, Virtuais e Cloud)

    Publicado em 25/05/2010 às 11:00 | 13398 leituras

  1. HP libera o código-fonte do webOS 3.0.5

    Publicado em 19/03/2012 às 11:11 | 11256 leituras

whitepapers

mais whitepapers